segunda-feira, 1 de março de 2010

Passageira

Olhando pela janela vejo as pessoas, admiro os lugares que passam diante aos meus olhos, os pontos em que o ônibus passa direto ou aqueles em que pára, mas arranca rapidinho e não dá tempo de descer; se descer fica para traz, e ficando para traz atraso o percurso.
Tenho curiosidade, muita por sinal; me desmancho de vontade de poder ser mais próxima daqueles lugares em que meu ônibus não permite parada por enquanto.Já pensei em sair pela janela, tapear o motorista e outras coisas que me permitissem aquele contato que me é restrito; mas acabei fraquejando por medo; medo de perder meu lugar no ônibus, arriscando-o ao me levantar.Então sempre após minhas iniciativas surgem as minhas desistências; e mais tarde agradeço a mim mesma por isso. Não é falta de coragem, é cautela.Apenas quero errar meus passos o menos possível e desisto porque vejo que o motorista está certo em restringir tais paradas em lugares em que as portas abrem-se facilmente para qualquer um; isso torna tudo tão fácil, chega até a perder a graça por isso, mas o fato é que sempre tenho vontade pelo proibido, aliás isso é um ponto em comum em todos nós, tenho certeza disso.

Quem nunca sentiu tentação? E resistiu a ela. Ou não...


A.R.