sexta-feira, 4 de janeiro de 2013




Não sei como que faz
 para não despencar,
ou, seria, para não subir
essa ladeira novamente

e nós dependemos
a todo instante
dos olhos dos outros
das mãos do amigo

ele não pode ir embora,
eu devo ir.
mas vou leva-lo comigo.
e é esse abandono constante
que dói em tudo.

vem me buscar.